Perguntas frequentes

Nossa missão

Estamos lutando pela liberdade, respeito e inclusão no idioma.

  • Liberdade – para que cada pessoa possa usar para si mesme qualquer pronome que elu acha que descreve elu o melhor.
  • Respeito – que pronomes de outras pessoas são respeitados.
  • Inclusão – que quando estamos nos referindo para a pessoa que não conhecemos ou para grupo de pessoas, não estamos assumindo gênero delus e não estamos excluindo elus por qualquer razão.
O que é não binarie?

O gênero é muito mais complicado do que uma simples distinção entre masculino e feminino. A partir de um ponto de vista puramente biológico, distinguimos sexo cromossômico, sexo genético, sexo hormonal, sexo fenotípico… Eles não são necessariamente correspondentes um com o outro e nem sempre são binários. Quando partimos para o aspecto cultural, o “gênero” é visto como uma construção social. Dependendo do lugar e do momento, ser “uma mulher” ou ser “um homem” pode significar ter direitos, obrigações e regras a seguir radicalmente diferentes. Na Europa, não é comum que os homens a usem saltos altos e saias, muitos povos originários da América da Norte reconhecem um terceiro gênero dois espíritos, travesti, etc. etc.

“Não binárie” é um termo que descreve a identidade de pessoas que não se encaixam na distinção binária de homem/mulher. Inclui pessoas agênero, gênero-fluido, demigênero, bigênero, e muito, muito mais.

Não binário não é necessariamente algo "intermédio" entre masculino e feminino. Vai além. As pessoas não binárias não têm que ser andróginas, usar linguagem neutra etc. Se trata de liberdade gênero, não de criar novos.

Por que devo respeitar os pronomes raros de outra pessoa?

Porque dirigir-se às pessoas da maneira que elas preferem é a base das relações sociais. Você não chamaria “Lúcia” de “Alicia”. Há pessoas que não querem ser tratadas por “ele” ou “ela”. Se não pode aceitar isso, só fale de você mesmo.

Então, é suficiente dizer adequar o gênero dos pronomes?

Não! O gênero está presente não só nos pronomes, mas também em substantivos, adjetivos etc. Você não diz “ela” quando vai se referir a seu “amigo”, mas sim à sua “amiga”. Respeitar a identidade de gênero de uma pessoa implica a respeita não só nos pronomes, senão em toda a referência linguística a ela.

Assim, dizemos que el é nossê amigue, que pode ser profesore, estudante, etc., e gostamos muito del.

Como saber como eu devo me referir a alguém?

Pode perguntar! Sim, pode ser um pouco desconfortável, mas quanto mais fazemos isso, isso se torna menos desconfortável. Se podemos perguntar a alguém seu nome, por que não seus pronomes?

(Só que por favor não pergunte “você é menino ou menina?”. Essa pergunta implica em apenas duas respostas corretas, e sugere uma curiosidade pouco saudável pelos genitais de outras pessoas. Invés disso, pode perguntar “quais são os seus pronomes?” ou “como eu deveria me referir a você?”)

Também é importante normalizar contar seus pronomes quando se apresenta a alguém. “Olá, sou Miguel, el/del”. Não é difícil – mas significa muito para as pessoas trans e não binárias! A inclusão mais fácil da linha: Só coloque os seus pronomes (o uma ligação aos exemplos do nosso site) em sua bio.

Também tenha na mente que muitas pessoas usam um nome e pronomes distintos em diferentes contextos. Pode ser que alguém no dia a dia se “esconda” no ambiente de trabalho, mas se sinta confortável vivendo sua verdade com amigues. Seja consciente. Você pode, por exemplo, perguntar “que pronomes eu deveria usar em frente de seu chefe?” etc.

Algumas pessoas oferecem vários pronomes, p. ex. “ele ou ela” ou “ele ou el”. Isso significa que eles gostam de todas essas formas. Normalmente, a primeira opção é a que preferem.

E isso se usa mesmo?

Sim! Milhões de pessoas não binárias no mundo fazem isso. Cada pronome listado aqui é usado por alguém no seu dia a dia.

Esses pronomes não binários estão aprovados por alguma autoridade?

A língua não é um tipo de magia gravada em pedra e outorgada pelos deuses deusa. A língua é uma atividade essencialmente social, que evolui através do tempo, tal qual à sociedade. Nós, usuáries, que somos a autoridade que dita como se usa.

Os dicionários podem levar um tempo para registrar essas formas, mas isso não significa que o uso delas seja ilegal. Eventualmente essas formas, se usadas com muita frequência, poderão ser incluídas em dicionários.. Merriam Webster, por exemplo, aceita o uso de “they” singular como um pronome não binário em inglês.

Também é possível consultar trabalhos académicos sobre os pronomes não binários.

Por que eu deveria colocar meus pronomes nas minhas redes sociais?

Se você é cis (= não é trans) e usa„ele” ou „ela” de acordo com o seu gênero, pode pensar que seus pronomes são óbvios. E sim, talvez eles sejam – sempre e quando menciona seu nome em um perfil (e este seja tradicionalmente masculino ou feminino) ou se sua foto de perfil é uma foto sua. Muitas pessoas não cumprem com essas características – assim, nem sempre é fácil adivinhar com que pronome preferem ser chamades.

Mas se trata, sobretudo, de algo mais importante: talvez seus pronomes sejam “óbvios”, mas há pessoas cujos pronomes não são. E eles querem que os abordemos corretamente, independente de se “parecerem” ou não com determinado gênero, De estarem transicionando ou não (ou de quererem transacionar ou não). As pessoas não binárias nem sempre “se vêm não binárias”, não devemos a androginia a ninguém.

Compartilhar nossos pronomes é importante para as pessoas trans, não binárias e do gênero não-conformista. Contudo, nos expõe. Entretanto, se as pessoas cis fizessem o mesmo, facilitaria o mundo para nós. Essa simples atitude faria poderia fazer com que nos sentíssemos mais cômodes, segures, e bem-vindes (mais razões (em inglês) aqui).

Posso trocar os meus pronomes?

Claro! Ninguém se surpreende quando alguém muda seu ponto de vista, estilo, hobbies… Assim, por que seria estranho que esse alguém descobrisse uma parte de sua identidade, que deixou de gostar do seu nome, que descobriu uma etiqueta que encaixa bem com elu etc?

É possível que eu não me acostume com meus próprios novos pronomes?

Sim! Depois de muitos anos usando os pronomes que melhor se adaptam ao gênero assinado ao nascer, é comum às vezes ter dificuldade para se adaptar aos novos pronomes.

Pronomes ≠ gênero. Seu gênero não vai mudar de repente porque alguém te chamou de “elu”. Não se preocupe. Experimente. Veja o que encaixa melhor contigo.

Por que não se deve dizer “pronomes preferidos”?

Porque dizer assim sugere que os pronomes são um capricho. Se alguém simplesmente “prefere” ser tratada por “ela”, não se sentiria mal se a chamasse de “ele”, não? Parece um garoto, assim é mais fácil para mim!

Não! São nossos pronomes. Não nossos “pronomes preferidos”. São nossos nomes, não nossos “nomes preferidos”. Se você se importa com sus amigues e sus querides trans e não bináries, chama-lhes da maneira correta.

Por que não devo dizer “pronomes de gênero”?

Porque gênero é diferente de pronomes. Os pronomes são só gramática. As pessoas não binárias podem usar pronomes binários, algumas mulheres lésbicas usam ele por razões culturais etc.

Diga simplemente “pronomes”.

Compartilhar: